Visitas da Dy

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Sempre e por todo lugar




O mundo é pequeno,
Mas pode ser que nossos caminhos teimem em se afastar.
Ainda assim, teremos atalhos,
Abriremos trilhas
E voltaremos a nos encontrar.
O tempo não para
E escorre pelos nossos dedos:
É nosso limite inventado,
Nossa prisão sem paredes,
Estreita os laços e distancia o que se desfez...
Quando eu me perder no tempo,
Quando eu não reconhecer esse mundo
Vou correndo por mar
Vou subir na pedra mais linda, mais alta
Vou gritar para o vento:
Um amigo há de me ouvir.
Um amigo há de se lembrar de mim.
Um amigo me estenderá a mão
Acolherá meus resquícios de solidão
Porque velhos amigos
Nunca se perdem no tempo
Velhos amigos
Foram feitos para se encontrar
Sempre e por todo lugar.

3 Comentários:

Ive disse...

Lindo,lindo!

Celso Junior disse...

Pode me chamar
sou sensível a sua voz
tenho colo pra acalentar
fito até seus olhos feroz.

Dy Eiterer disse...

Ive e Celso!

Como podem ser assim?
Postei o poeminha há 5 minutos e já vieram me visitar!

Oh, coisa boa que é ter vocês por perto! rs

Obrigada pelo carinho de sempre!

beijooooooo

Postar um comentário