Visitas da Dy

domingo, 27 de janeiro de 2013

Santa Maria, choramos contigo.



Hoje não acordamos. Não acordamos porque não fomos dormir. Assim como não foram dormir os mais de 230 jovens que também não mais irão acordar.
Em um fim de semana como tantos outros em que “a noite promete” as promessas nunca mais serão cumpridas.
Em meio ao calor de tantas pessoas imersas em alegrias, a fogos que anunciariam uma explosão de felicidade, anunciou-se a tragédia, o pânico, o horror. Quem entrou em cena foi a morte e a noite ficou pesada, densa, como se o tempo não passasse e ficasse suspenso no ar. Ar estagnado com o cheiro da tristeza.
Morreram não só aqueles jovens, mas um pouco da cada um de nós que já passamos por algumas das experiências ali apresentadas.
Morremos engasgados com a fumaça que levou o sopro de vida e nos embotou os olhos, apagando o fio da esperança, que essa noite foi a última a sair da festa.
Morremos nós que já fomos tantas vezes às boates para nos divertir com os amigos, comemorar, celebrar a vida e vimos nessa madrugada um passeio desenfreado da morte.
Morremos nós que temos filhos e que os vemos ou veremos saindo muitas noites e passaremos horas fio esperado a sua chegada.
Morremos nós, filhos, que deixamos nossas mães em casa, com a promessa de que voltaremos bem, mas nem todos voltaram hoje...
Morremos porque somos impotentes diante da morte. Porque não podemos fazer mais nada a não ser lamentar.
Morremos porque o futuro foi abreviado e não virá mais, como um livro sem final, como uma fábula sem a sua moral, como um coração sem a sua metade.
Morremos porque perdemos muitos jovens, muitas vidas, muitas esperanças e só nos restam as lágrimas que escorrem não tão quentes quanto aquelas chamas, mas semelhantemente dolorosas.
Morremos porque a fumaça cinza nos arrancou o direito de ver o sol brilhar mais um dia para centenas de pessoas que nunca mais terão os seus sorrisos plenos de felicidade porque sempre se lembrarão daqueles que ficaram por chegar.
Santa Maria, RS, hoje choramos por você, por seus jovens, por sua tristeza.

0 Comentários:

Postar um comentário