Visitas da Dy

segunda-feira, 21 de março de 2011

Amor é samba de roda

Uau!
Comecei a pensar em escrever ainda na noite de domingo e já adentrei as primeiras marcas da segunda-feira.
Mais uma vez em casa, sozinha, insone.
Já li tudo o que podia. É hora de dormir. Só preciso encontrar o sono pra isso. Não consigo encontra-lo! É sempre assim!
Resolvi ligar o PC e ouvir música. Má ideia. A seleção automática do Media Player só me detona: em um acervo de mais de 5 mil músicas ele tem que pegar logo as que falam de dor de cotovelo, de amores impossíveis ou de amantes temerosos em se declarar.
Afff… será que a gente só pode ser feliz de verdade quando está com alguém? É, acho que é.
To aqui pensando nessas questões e em como algumas pessoas conseguem transformar seus sentimentos em canções, poemas e textos belíssimos, tocantes mesmo. Queria ser assim. Queria ser alguém que soubesse amar e deixar de amar, fazer poesia, navegar pelas ruas como um barco desliza pelo mar. Buscar – e encontrar –  as melhores palavras pra expressar o que vem no coração. Falar e ter plateia. Não qualquer plateia, mas uma que fosse participativa. Que ouvisse, aconselhasse, se emocionasse e me encantasse como eu a encantaria. E nessa plateia quem sabe um, só um a quem o coração tocasse. A quem a mão alcançasse e a quem poderia tecer dias de alegria…
Ainda penso que tenho a vida inteira pela frente, mas uma vida inteira só tem graça quando o jogo termina em um a um. Quando a vida é vida acompanhada. Vida sozinha cansa. Vida sozinha é carnaval com chuva; é letra sem melodia; é festa sem convidado.
Coração nasceu pra ser festeiro, pra ser acompanhado, haja vista o seu batuque quando está apaixonado: tu-tum, tu-tum, tu-tum… é samba de raiz, daqueles gostoso de se ouvir e que dá vontade de dançar mesmo sem saber sambar, de cantar sem saber a letra e de batucar acompanhando o ritmo em qualquer lugar. “Se todo mundo sambasse seria tão fácil viver” e se todo mundo vivesse apaixonado seria mais onito viver.
Tá aí uma boa pedida: quero me apaixonar. Quero ter dias coloridos e músicas nos ouvidos sem precisar do mp3.
Se o Rio é a cidade maravilhosa, coisas maravilhosas bem que podem acontecer por aqui…
Será que em algum lugar há um príncipe encantado me esperando? Alooowwww… tô aqui!
Quer fazer roda de samba na vida, serenata ao luar, festa todo dia na casa-coração, afinal em um bom sambinha já dizia Vinícius de Morais:

“É melhor ser alegre que ser triste,
Alegria é melhor coisa que existe
(…)
A tristeza tem sempre uma esperança
De um dia não ser mais triste não
(…)
Ponha um pouco de amor na sua vida
(…)” (Samba da Bênção)

“A vida é pra valer, a vida é pra levar”
(Samba pra Vinícius)

“Amar, porque não há nada melhor que um amor correspondido”

E enquanto penso nas palavras de Vinícius me faço outras perguntas como: porque é tão difícil encontrar alguém que goste da gente? Ou ainda será que é mesmo difícil ou nós é que somos ocupados demais e não percebemos? Será que olhamos muito para o horizonte e não observamos o que está ao nosso lado ou será mesmo é que não há ninguém nem no horizonte e nem ao nosso lado?
Já esrevi um pouco sobre isso. Já fiz essas mesmas perguntas outras vezes e nada de respostas. Então, pra terminar por aqui, fecho com o alvo de minhas buscas – não ainda não é o namorado! Rs – é só mais uma canção “Resposta”:

Resposta

Composição: Samuel Rosa / Nando Reis
Bem mais que o tempo
Que nós perdemos
Ficou prá trás
Também o que nos juntou...
Ainda lembro
Que eu estava lendo
Só prá saber
O que você achou
Dos versos que eu fiz
Ainda espero
Resposta...
Desfaz o vento
O que há por dentro
Desse lugar
Que ninguém mais pisou...
Você está vendo
O que está acontecendo
Nesse caderno
Sei que ainda estão...
Os versos seus
Tão meus que peço
Nos versos meus
Tão seus que esperem
Que os aceite...
Em paz eu digo que eu sou
O antigo do que vai adiante
Sem mais eu fico onde estou
Prefiro continuar distante...
Bem mais que o tempo
Que nós perdemos
Ficou prá trás
Também o que nos juntou...
Ainda lembro
Que eu estava lendo
Só prá saber
O que você achou...
Dos versos seus
Tão meus que peço
Dos versos meus
Tão seus que esperem
Que os aceite...
Em paz eu digo que eu sou
O antigo do que vai adiante
Sem mais eu fico onde estou
Prefiro continuar distante...(2x)
Desfaz o vento
O que há por dentro
Desse lugar
Que ninguém mais pisou...
Você está vendo
O que está acontecendo
Nesse caderno
Sei que ainda estão...
Os versos seus
Tão meus que peço
Nos versos meus
Tão seus que esperem
Que os aceite...
Em paz eu digo que eu sou
O antigo do que vai adiante
Sem mais eu fico onde estou
Prefiro continuar distante...(3x)


É isso, continuo aqui cheia de perguntas, com versos e prosas que fiz e que ainda espero respostas…
“Onde andará o meu amor?” (Chico César )

Noite de 20 para 21 de março de 2011.
Rio de Janeiro.

0 Comentários:

Postar um comentário